Estratégias para o crescimento sustentável: Por que o CEO precisa sair do operacional?

estratégias para o crescimento sustentável

No mundo dos negócios de hoje, alcançar um crescimento sustentável é um objetivo importante, mas pode ser complexo de atingir.

Para isso, é necessário ir além de ter apenas uma visão clara ou estratégias bem planejadas, é fundamental repensar o papel do CEO na empresa.

Comumente, muitos CEOs estão profundamente envolvidos nas operações cotidianas, focando em detalhes e decisões de curto prazo. Contudo, essa prática pode limitar o crescimento de longo prazo.

Neste artigo, vamos discutir por que é vital para o CEO se desvincular das atividades operacionais e adotar um papel mais estratégico, voltado para a visão de futuro, inovação e liderança que transforma.

Essa mudança pode não só ajudar a empresa a prosperar no presente, mas também a se preparar melhor para enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades que surgirão no futuro.

Este tema abordamos no episódio do Podcast do Play Growth sobre “O CEO precisa sair do operacional para sua empresa crescer”.

Por que os CEOs temem deixar o operacional?

Muitos CEOs encontram dificuldades em se afastar das operações diárias, e compreender essas resistências é essencial. 

Fatores como a familiaridade com a rotina operacional, o medo de perder o controle, não querer – no caso de novos sócios – dividir o lucro ou a dificuldade em delegar responsabilidades muitas vezes prendem os CEOs ao operacional.

Além disso, pode haver uma percepção de que sua intervenção constante é necessária para o sucesso da empresa. 

No entanto, essa abordagem pode limitar a capacidade da organização de crescer e se adaptar.

Por isso, é necessário para os CEOs superarem essas barreiras, confiarem em suas equipes de liderança e se concentrarem em direcionar a empresa para um futuro promissor.

 

Como distribuir as tarefas no ambiente de trabalho

Delegar atividades nem sempre é simples e, para realizar essa distribuição, é preciso confiar na habilidade e no comprometimento da equipe.

Se a empresa já possui um método e um objetivo definido, você pode tentar conhecer um pouco mais a dinâmica de trabalho de cada funcionário com o intuito de atribuir mais funções, realizar uma promoção de cargo, ou se for necessário, mudar os colaboradores. 

Distribuir tarefas em um ambiente de trabalho pode ser um desafio, mas aqui estão algumas dicas para tornar o processo mais eficaz e justo:

  1. Conheça sua equipe defina metas claras
  2. Considere a carga de trabalho
  3. Promova a colaboração
  4. Seja transparente
  5. Ofereça suporte e recursos
  6. Forneça feedbacks regulares
  7. Reconheça e recompense
  8. Use ferramentas de gestão de tarefas

Identifique e forme novos líderes

No contexto de um CEO se afastando das operações diárias para focar em estratégias de crescimento sustentável, a distribuição de tarefas e a identificação de novos líderes tornam-se passos fundamentais.

Uma maneira eficaz de fazer isso é por meio da formação de squads, ou equipes multidisciplinares, que operam com autonomia e foco em objetivos específicos. 

Como montar os squads?

Definição de objetivos: cada squad deve ter um objetivo claro e alinhado com a visão estratégica da empresa. Isso pode variar desde o desenvolvimento de um novo produto até a melhoria de um processo interno.

Seleção de equipes multidisciplinares: os squads devem ser compostos por membros de diferentes áreas da empresa, como desenvolvimento, operações, marketing e vendas, garantindo uma variedade de habilidades e perspectivas.

Autonomia e responsabilidade: dê autonomia aos squads para tomar decisões e agir de maneira independente. Isso incentiva a inovação e a responsabilidade, além de reduzir a sobrecarga no CEO.

Comunicação e colaboração: estabeleça canais de comunicação eficazes e promova a colaboração entre diferentes squads e o restante da empresa.

Ao distribuir tarefas, identificar novos líderes e formar squads, o CEO pode garantir que a empresa não apenas continue operando eficientemente, mas também inove e cresça de maneira sustentável.

Este modelo promove uma liderança mais descentralizada, sem a dependência do CEO e capacita os funcionários a contribuírem significativamente para os objetivos estratégicos da organização.

Faça um desapego emocional das funções

Um aspecto fundamental – que muitas vezes é negligenciado – é a necessidade de os CEOs realizarem um desapego emocional das funções operacionais.

Este desapego é crucial para permitir que a empresa cresça de forma sustentável e eficiente.

Muitos CEOs ainda trabalham com a ideia de que apenas eles têm as respostas para todos os desafios, então o primeiro passo é se desvincular de pensamentos do tipo, compreendendo que sua equipe também é capaz.

O verdadeiro controle consiste em capacitar e confiar em seus funcionários, ao mesmo tempo em que promove um ambiente colaborativo e inovador. 

Desapego emocional

Vale ressaltar que o desapego emocional não significa negligenciar as operações da empresa, mas sim reconhecer a importância de se concentrar nas tarefas estratégicas que impulsionam o crescimento sustentável.  

Ao manter um certo afastamento, os CEOs conseguem melhorar os seguintes aspectos:

  • Foco na visão e estratégia: CEOs devem estar primariamente focados em estabelecer a visão e a estratégia da empresa.

O envolvimento excessivo em tarefas operacionais pode desviar a atenção desses objetivos de longo prazo, essenciais para o crescimento sustentável.

  • Empoderamento da equipe: ao se desapegar das funções operacionais, os CEOs dão espaço para que outros líderes e membros da equipe assumam responsabilidades.

Isso não apenas ajuda no desenvolvimento profissional desses colaboradores, mas também fomenta um ambiente de trabalho mais colaborativo e inovador.

  • Prevenção da sobrecarga: CEOs que tentam gerenciar todos os aspectos operacionais correm o risco de se sobrecarregar, o que pode levar à ineficiência e até mesmo ao esgotamento. 

O desapego emocional permite uma distribuição mais equilibrada das responsabilidades e preserva a energia do CEO para tarefas mais críticas.

  • Adaptação e flexibilidade: o mercado e o ambiente empresarial estão em constante mudança.

CEOs que mantêm um desapego emocional das operações diárias estão em melhor posição para se adaptar a mudanças e guiar a empresa por novos caminhos quando necessário.

  • Desenvolvimento de lideranças futuras: um CEO que se desapega do operacional cria oportunidades para que potenciais líderes emergentes se destaquem.

Isso é essencial para o planejamento de sucessão e para garantir a continuidade da liderança eficaz na empresa.

Para implementar efetivamente esse desapego, os CEOs podem adotar algumas práticas. 

É o caso, por exemplo, de delegar tarefas operacionais a gerentes confiáveis, estabelecer sistemas claros de comunicação e feedback, e investir tempo em treinamento e desenvolvimento de lideranças dentro da organização.

Além disso, é fundamental que o CEO cultive a confiança na sua equipe, permitindo que eles tomem decisões importantes dentro de suas respectivas áreas. 

Profissional bom x Profissional com os mesmos princípios

Ao explorar a necessidade do CEO em se afastar das tarefas operacionais, surge uma questão: a diferença entre um profissional competente e um profissional que compartilha e personifica os princípios da empresa para estar na linha de frente em funções estratégicas.

Enquanto um profissional habilidoso pode executar tarefas com eficiência, aquele que alinha suas crenças e valores com os da empresa pode impulsionar a organização para além do sucesso operacional.

Essa sintonia com a cultura e os valores da empresa é fundamental para formar líderes e equipes, inspirar inovação e conduzir a empresa rumo a um crescimento e alinhado com sua missão e visão de longo prazo.

Este é um aspecto chave para o CEO considerar ao delegar responsabilidades operacionais, garantindo que a liderança em todos os níveis esteja não apenas capacitada, mas também profundamente alinhada à cultura organizacional. 

A vida pessoal e os valores empresariais

Ainda reforçando a ideia de que os colaboradores devem ter o mesmo objetivo que a empresa, é possível também analisar a vida pessoal do candidato ou dos funcionários atuais. 

Este é um método ainda mais eficaz quando donos de empresas buscam sócios para gerenciar crises na ausência do outro.

Um exemplo disso é observar o cuidado que o colaborador tem com sua família ou até mesmo o cuidado que tem com si mesmo, as pautas que valoriza e o quanto investe na sua vida pessoal para além do profissional. 

Essa conexão pode ajudar o CEO a fazer a escolha certa para sócios, colaboradores e até mesmo presentear funcionários com uma promoção que envolve mais do que o seu desempenho profissional.

Leia também: Os segredos para levar a empresa ao sucesso.

A chave para mudanças efetivas

No contexto da transição do CEO do operacional para um foco mais estratégico, identificar a chave para mudanças efetivas na organização se torna essencial.

Neste momento é essencial alinhar a visão de longo prazo com ações concretas.

O papel do CEO aqui é vital para estabelecer essa visão, inspirar a equipe a adotá-la e garantir que as operações diárias sejam alinhadas com essa direção estratégica.

Quando o CEO decide mudar estratégias, é imperativo que a equipe esteja alinhada com essas mudanças para os squads possam conduzir a visão.

O sucesso das mudanças depende do comprometimento coletivo e da compreensão compartilhada dos objetivos.

Decisões racionais voltadas para o negócio

Em síntese, é ideal que durante todo o processo de desapego do sistema operacional, o CEO tome decisões críticas e analíticas.

Isso de acordo com o contexto em que a empresa precisa de melhoria. 

É ideal que seja desmistificada a ideia de que apenas o CEO pode lidar com as situações.

Além disso, que a empresa só vai crescer se ele se colocar à frente de todos os projetos. 

Para que a empresa tenha sucesso, o CEO precisa ter total e plena confiança em seus funcionários e vise versa.

O sucesso das situações serão definidos de acordo com a visão compartilhada de um futuro próspero. 

👉 Está na hora de dar o próximo passo e sair da operação? 

Entendemos que a transição não é fácil. Por isso, criamos um episódio especial do podcast Play Growth, recheado de exemplos, dicas e casos reais que vão te guiar nesse caminho. Descubra como fazer essa mudança de forma eficaz. Ouça agora! 🚀

 

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Social Media

Destaques

Receba nossa newsletter

Cadastre-se e receba nossas novidades

Não enviaremos spam para o seu e-mail

Posts relacionados

Evite cair em Golpe!

Não anunciamos vagas no WhatsApp ou Telegram