Microsoft compra LinkedIn por US$ 26,2 bi

Negócio é o maior da história empresa de Bill Gates
Logomar do LinkedIn Foto: David Paul Morris / Bloomberg
Logomar do LinkedIn Foto: David Paul Morris / Bloomberg

NOVA YORK - A Microsoft anunciou nesta segunda-feira em seu blog um acordo para compra do LinkedIn por US$ 26,2 bilhões em dinheiro. O negócio é o maior já feito até o momento pela empresa fundada por Bill Gates. A oferta de US$ 196 por ação representa um prêmio de 49,5% sobre o preço de fechamento dos papéis do LinkedIn na sexta-feira, que foi de US$ 131,08.

A rede social com foco profissional LinkedIn, baseada na cidade californiana de Mountain View, tem mais de 430 milhões de membros. No site, os usuários podem fazer contatos profissionais, atualizar currículos e buscar oportunidades de emprego. A compra do LinkedIn é uma forma de a Microsoft, que perdeu boa parte do boom de consumo na web, dominada por Google e Facebook, avançar nas mídias sociais.

“Hoje estamos refundando o LinkedIn”, afirmou Reid Hoffman, presidente do conselho de administração da rede social voltada a profissionais, em comunicado.

Jeff Weiner continuará como presidente executivo da rede social se reportando ao presidente executivo da Microsoft, Satya Nadella. O acordo deve ser concluído ainda neste ano.

“Sempre tive grande admiração pelo LinkdIn, afirmou Nadella em vídeo. “Conversei com Reid e Jeff por um tempo... Tenho pensado nisso há muito tempo.”

“A equipe do LinkedIn desenvolveu um negócio fantástico centrado em conectar os profissionais do mundo”, afirmou o Nadella. “Juntos podemos acelerar o crescimento do LinkedIn, assim como do Microsoft Office 365 e Dynamics com o objetivo de fortalecer cada pessoa e organização do planeta.”

As duas empresas disseram que o acordo é “definitivo” e que será fechado ainda este ano. O negócio, no entanto, depende da aprovação dos órgãos reguladores de Estados Unidos, União Europeia, Canadá e Brasil.

De acordo com o comunicado conjunto, o LinkedIn “manterá sua marca, cultura e independência”. O negócio, acrescentaram, tem o apoio do presidente e maior acionista do LinkedIn, Hoffman.

A Microsoft pretende acelerar os planos para ganhar dinheiro com o LinkedIn por meio do crescimento das assinaturas individuais e empresariais, assim como com o aumento da publicidade.

Apesar do prêmio de quase 50% pago pela Microsoft, o valor do LinkedIn está abaixo de seu pico, que foi de mais de US$ 270 por ação registrado no ano passado. Uma projeção de baixa devido à desaceleração das receitas on-line este ano fez com que os papéis da rede social caíssem. Quando abriu seu capital, em 2011, as ações do LinkedIn valiam US$ 45.

— Antes de qualquer coisa, acho que (o LinkedIn) é um grande negócio. É uma empresa premium e merece um valor premium — afirmou Ivan Feinseth, analista da Tigress Financial Partners.

A oferta avalia o LinkedIn em quase 91 vezes o valor da empresa antes de juros, impostos, depreciação e amortização, segundo dados compilados pela Bloomberg. E este é o maior múltiplo já registrado em aquisições acima de US$ 5 bilhões neste ano, ainda de acordo com a agência.

Em setembro de 2014, a Microsoft comprou a Mojang , criadora do jogo Minecraft, por US$ 2,5 bilhões. Um ano antes, adquiriu a filandesa Nokia, com o objetivo de avançar no setor de telefonia móvel, por pouco mais de US$ 7 bilhões. Em 2011, o serviço de telefonia pela internet Skype foi comprado por US$ 8,5 bilhões.

O valor desembolsado pela Microsoft é superior aos quase US$ 22 bilhões pagos pelo Facebook na compra do Whatsapp . O negócio foi anunciado em fevereiro de 2014 e concluído em outubro daquele ano.

Com o anúncio do negócios, as ações do LinkedIn saltaram 49% nas negócios que antecedem a abertura do mercado americano nesta segunda-feira. Já as ações da Microsoft recuavam 4%.