01
maio

Brasil é o segundo país com mais fraudes em cartões; saiba como evitar

01 / maio
Publicado por Talita Barbosa às 17:03

 

 Comportamentos arriscados têm relação direta com o crescimento no número de fraudes. Foto: Agência Brasil
Comportamentos arriscados têm relação direta com o crescimento no número de fraudes. Foto: Agência Brasil

 

A adoção de comportamentos de risco, como deixar o celular desbloqueado e jogar papéis ou documentos com o número da conta no lixo, contribuíram para que o Brasil se tornasse o segundo colocado mundial no ranking de países que mais sofreram fraudes com cartões de débito, crédito e pré-pago.

O levantamento, realizado pela consultoria Global Consumer Card Fraud, em 2016, revelou que 49% dos brasileiros já foi vítima de algum tipo de fraude envolvendo cartões nos últimos cinco anos.

»Inflação do aluguel cai em abril e é a menor taxa desde 1989

»Pagamento com cartão de crédito é considerado à vista

»Saldo financiado no cartão de crédito atingiu R$ 130 bilhões em março

»Brasil é o segundo país com mais fraudes em cartões; saiba como evitar
O estudo analisou dados de comportamento considerados ‘de risco’ dos usuários no Brasil, Estados Unidos, México e Canadá.
Em todas as situações analisadas, os brasileiros demonstraram o maior percentual desse tipo de atitude. Por exemplo, 11% dos entrevistados relata que já respondeu a ligações ou emails que solicitavam informações bancárias. Cerca de 15% disse que anota e leva na carteira a senha do cartão, 22% afirma que já fez compras online sem utilizar softwares de segurança ou em computadores públicos. Outros 23% contam que já jogaram documentos ou papéis com número da conta bancária no lixo e 27% dos consumidores ouvidos revelaram deixar o celular desbloqueado quando não estão utilizando.

Segundo o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), o consumidor que for vítima de fraude no cartão de crédito tem o direito de pedir o cancelamento de compras feitas indevidamente.
Caso a operadora do cartão clonado se recuse a suspender as compras fraudulentas e o cliente se sinta obrigado a pagar a cobrança, ele possui o direito de reaver todos os valores pagos indevidamente em dobro, conforme previsto no artigo 42 do Código de Defesa do Consumidor.
A clonagem de cartão de crédito, ou qualquer fraude que eventualmente possa ocorrer na utilização do mesmo, é um risco do negócio das administradoras de crédito. Portanto as administradoras de cartões têm que garantir um ambiente seguro para a utilização de seus serviços, devendo suspender quaisquer cobranças provenientes de fraudes, no momento em que as compras forem contestadas pelos consumidores.

Dicas

Para ajudar a diminuir o número de fraudes contra o consumidor, a FICO, empresa que monitora centenas de milhares de caixas eletrônicos e leitores nos EUA elencou algumas dicas que podem ajudar os proprietários de cartões de débito.

  • Verifique ao seu redor. Se notar algum indivíduo que esteja há muito tempo pelas redondezas não se aproxime do caixa eletrônico. Evite ficar conversando próximo aos caixas e espere no carro até que caixa eletrônico esteja vazio;
  • Se seu cartão ficar preso na máquina ligue para sua assistência imediatamente para relatar o caso. Este problema pode ser um truque para que o criminoso retire seu cartão mais tarde. De qualquer forma, substitua seu cartão assim que possível;
  • Se suspeitar que seu cartão foi comprometido de alguma forma em um comércio, restaurante ou caixa eletrônico peça ao banco ou à empresa emissora de seu cartão, um novo número e senha, mesmo que seu cartão não tenha sido fraudado;
  • Verifique com frequência suas transações bancárias e o extrato mensal pelo serviço de banco de online;
  • Verifique se a empresa ou banco responsável pelo seu cartão possui alguma tecnologia de alerta por mensagem SMS ou e-mail caso ocorra alguma atividade suspeita com seu cartão;
  • Mantenha atualizadas suas informações de endereço e número celular em todos seus cartões para que você seja notificado com agilidade em situações que exijam sua atenção imediata.

 

 


Veja também