Grandes marcas disputam na revolução do e-commerce após coronavírus

Enquanto as vendas físicas caem em muitos segmentos, com impacto provocado pela pandemia do coronavírus e isolamento social, as grandes varejistas brasileiras, assim como outros segmentos do comércio eletrônico, disputam no que já chamam de “revolução do e-commerce”, com aumento das oportunidades e inovação nos canais de vendas online e offline. O delivery cresce e as surpresas são bastante positivas, acompanhando e se adequando às mudanças de hábito dos consumidores dia a dia.

Sabemos que a perda de clientes foi sensível para muitos empresários, de diversos setores, tanto das lojas físicas quanto dos e-commerces, que tiveram aumento em suas concorrências, mas a verdade é que o momento é de oportunidade e surgimento de novos negócios.

Trimestre é positivo para as grandes varejistas 

O último trimestre foi positivo para as grandes varejistas de e-commerce brasileiras e a tendência para os meses seguintes é de seguir os dados positivos desta temporada fomentada pelo coronavírus, por vendas e promoções, algumas na madrugada e com propostas criativas que surpreendem o público, antes acostumados com regras mais rígidas, para compra e até para devolução e troca. As facilidades são maiores para pagamentos, acesso e os prazos mais flexíveis, atraindo consumidores carentes e desejosos por produtos, serviços e atendimento imediato. 

Segundo o Mercado Livre, mais do que as companhias de varejo de alimentos e farmácias, que obviamente se destacaram positivamente em meio à pandemia do coronavírus, as empresas nacionais com grande exposição ao e-commerce também fazem parte do seleto grupo de destaque. 

Com as medidas de isolamento social, que levam mais pessoas a buscarem meios para adquirir os produtos necessários, além das lojas físicas, gigantes como Magazine Luiza, Lojas Americanas, Ponto Frio e Casas Bahia, abocanham uma fatia enorme de mercado.

  C3dweb Agência Digital ganha prêmio Destaque 2019

Apesar da queda de suas ações na bolsa de valores logo após os primeiros balanços da crise, as projeções se confirmaram e os resultados das empresas brasileiras de e-commerce foram muito bem recebidos pelo mercado.

Os papéis do Magazine Luiza (MGLU3), por exemplo, tiveram valorização de 41,59% em 2020 e alta de 72% somente entre os meses de abril e maio. Os ganhos foram ainda mais expressivos para a Via Varejo (VVAR3),  - responsável pelas redes de lojas das bandeiras Casas Bahia e Pontofrio - com disparada de 130,68% no ano e alta mais modesta, de 9%.

Oportunidades e iniciativas que rendem na crise


Mesmo com uma visão tão positiva para os balanços de forma geral, alguns resultados saltaram aos olhos dos analistas e investidores.Na avaliação dos analistas do Bradesco BBI, segundo publicação na Infomoney, os resultados deixam o Magazine Luiza na posição de líder e uma das principais vencedoras da atual crise. Os quesitos avaliados foram: crescimento do comércio eletrônico, melhores prazos de entrega e comercialização de novos segmentos.

A B2W está utilizando as Lojas Americanas para fazer vendas e entregas, bem como realizando a venda digital através dos aplicativos “clique e retire na lojas”. A maioria (70%) das lojas da Americanas fica fora dos shopping centers e pode fazer as entregas para pedidos online, registrando crescimento de 6,5% nas vendas. 

O “ship from store” (compre online e receba da loja mais próxima) foi expandido de 300 para todas as 1.700 lojas físicas da Americanas no Brasil – antes da Covid-19, a meta era que esse processo acontecesse até o final do ano. A empresa ainda aponta que as iniciativas como expedição da loja e click and collect (retirada em lojas de compras feitas pela internet), tiveram um crescimento de 85% e atingiram quase 12% do GMV.

  Como encantar seus clientes e driblar a concorrência

“Isso é positivo a longo prazo, à medida que os consumidores se familiarizam com a compra online de itens com maior frequência/menor preço, o que é essencial para a ‘segunda onda’ do comércio eletrônico [mais baseado em venda de itens de vestuário, cosméticos e artigos esportivos]”, avaliou o Bradesco BBI, para a Info Money.

Seguindo o exemplo das grandes varejistas, muitas empresas e lojas já se reinventam, contratando colaboradores que foram dispensados para implantação do e-commerce e deliveries. O aumento das vendas no comércio online reforça antecedentes históricos de que o momento de crise pode ser também o de grandes oportunidades e novos formatos de negócios. Sobre isso, leia o artigo!

Apesar de abertos, brasileiros fazem mais compras nos supermercado online

Os supermercados, de acordo com a Ebit/Nielsen, que tradicionalmente têm uma participação baixa de vendas pelo comércio eletrônico, teve um aumento de cerca de 4% no primeiro mês da quarentena. Segundo pesquisa da Associação Paulista de Supermercados (Apas), 15% dos brasileiros fazem compras de supermercados pela internet, especialmente os jovens entre 16 e 24, estando entre os mais adeptos desta prática (18%) e o número aumenta a cada mês.

Segundo Thiago Berka, economista da Apas, a internet impacta consumidores de diferentes classes sociais, idades e localidades. “A pesquisa quebrou o mito de que pessoas acima de 55 anos não compram no e-commerce. Compram sim”. Mas, ficou claro que deve haver eficiência. “A guerra para conquistar o cliente passa pela logística, que se torna um ingrediente relevante do marketing e da competitividade porque está associada à conveniência”, afirma.

Apesar dos riscos, consumo de produtos não diminui

A preocupação com a pandemia incentivou as vendas de itens de higiene online, por exemplo. A projeção leva em conta a incerteza do momento e o fato das pessoas passarem a evitar locais públicos cada vez mais. O interessante é que nas análises iniciais, até o mês de abril, demonstram que, apesar do risco dos salários e empregos, o consumo de produtos não diminuiu. Em alguns setores, até aumentou, já que muitos estocaram suprimentos e produtos de higiene.

  Use estratégias online e transforme seu negócio num e-commerce com 2 passos

A lista das 12 marcas que dominam o mercado mundial, publicada pela plataforma Meio & Mensagem, levando em conta os Estados Unidos, os segmentos beneficiados é encabeçada pelas empresas de produtos de limpeza também. Os apps fitness; serviços de streaming, como Netflix, e plataformas de conferências virtuais, como a Zoom, também aproveitam a oportunidade diante do cenário atual.

Dessa forma, fica claro que as empresas podem e devem migrar para o ambiente digital, o mais rápido possível. Ao invés de fecharem suas portas, muitas podem mudar seus planos de negócio. Com a ajuda do marketing digital, um novo e amplo mercado pode ser descoberto. Esperamos que você esteja nele.

Leia mais sobre vendas online: 

9 Dicas para manter e aumentar as vendas da sua loja virtual durante e depois da pandemia. Clique aqui.

Deixe um comentário

Aumente seus Resultados com Google Adwords

Todo empresário deseja atrair novos clientes para a sua empresa, ter reconhecimento pelos seus produtos e serviços e se tornar uma marca forte. O marketing

31 Dicas de Conteúdo para o seu blog

Ter um blog com artigos e outros conteúdos relacionados à sua empresa e marca é um dos pontos de partida para colocar sua estratégia de

Receba conteúdos antes de todo mundo

Para começar...